Julho Amarelo: A importância das hepatites virais na saúde humana

Por Dr. Francisco Souto

As hepatites virais atingem o fígado, causando alterações leves, moderadas ou graves. Na maioria das vezes são infecções silenciosas, ou seja, não apresentam sintomas.  Entretanto, quando presentes, elas podem se manifestar como: cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda, com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E, que é menos comum no Brasil, sendo encontrado com maior facilidade na África e na Ásia.

As infecções causadas pelos vírus das hepatites B ou C frequentemente se tornam crônicas. Contudo, por nem sempre apresentarem sintomas, grande parte das pessoas desconhecem ter a infecção. Isso faz com que a doença possa evoluir por décadas sem o devido diagnóstico. O avanço da infecção compromete o fígado, sendo causa de fibrose avançada ou de cirrose, que podem levar ao desenvolvimento de câncer e à necessidade de transplante do órgão.

Alguns aspectos das hepatites virais:

Hepatite Aguda

Todos os vírus de hepatite podem produzir hepatite aguda, sendo mais frequentes as hepatites agudas pelos vírus A e B. Grande parte dessas infecções são assintomáticas e passam despercebidas. Geralmente, quando presentes, os sintomas são inespecíficos, podendo se manifestar inicialmente como fadiga, mal-estar, febre e dores musculares, seguidos de sintomas gastrointestinais, como enjoo, vômitos, dor abdominal, constipação ou diarreia. A presença de urina escura ocorre antes da fase em que a pessoa pode ficar com a pele e os olhos amarelados (icterícia).

Hepatite Crônica

A hepatite A nunca cronifica. É muito rara a hepatite crônica pelo vírus E. As principais causas de hepatite crônica são os vírus B e C. A história natural da infecção é marcada por evolução silenciosa, geralmente com diagnóstico tardio, após décadas da infecção. Os sinais e sintomas, quando presentes, são comuns às demais doenças crônicas do fígado e costumam manifestar-se apenas em fases mais avançadas da doença, quando os pacientes já desenvolveram cirrose hepática ou câncer de fígado. Nesse caso, edemas, acúmulo de líquido abdominal, hemorragia digestiva, icterícia e tendência a infecções bacterianas são algumas das complicações que acometem os portadores desses vírus.

Panorama

O impacto dessas infecções, de acordo com o Ministério da Saúde, acarreta aproximadamente 1,4 milhões de mortes anualmente no mundo,  câncer hepático ou cirrose. A taxa de mortalidade das hepatites B e C somadas, por exemplo,  às do HIV e tuberculose.

Por conta da preocupação com esse importante agravo à saúde humana, a Organização Mundial de Saúde (OMS) iniciou uma campanha mundial em 2015, com o intuito de eliminar as hepatites virais crônicas até 2030. Essa perspectiva é possível pelo fato de contarmos há décadas com vacina muito eficaz contra hepatite B e medicamentos muito eficazes e seguros contra hepatite C desde 2013. O número de portadores crônicos já vem caindo nos últimos anos. Intensificando e unindo os esforços de detecção e tratamento das pessoas infectadas globalmente, podemos antever a possibilidade de sucesso na meta traçada pela OMS para 2030.

Estratégias para controle

Atualmente, existem testes rápidos para a detecção da infecção pelos vírus B ou C, que estão disponíveis no SUS para toda a população. São gratuitos e o resultado fica pronto em alguns minutos. Todas as pessoas com mais de 50 anos de idade precisam ser testadas pelo menos uma vez na vida para esses tipos de hepatite. Populações mais vulneráveis precisam ser testadas periodicamente.

Além disso, ainda que a hepatite B não tenha cura, a vacina contra essa infecção é ofertada de maneira universal e gratuita no SUS, nas Unidades Básicas de Saúde.

Já a hepatite C não dispõe de uma vacina que confira proteção. Contudo, há medicamentos que permitem sua CURA, também distribuídos gratuitamente pelo SUS.

Trouxemos informações sobre este importante tema por ocasião da campanha Julho Amarelo, de alerta a respeito de hepatites virais e também do dia 28 de julho, Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais.

Dr. Francisco Souto é hepatologista e gastroenterologista, professor titular da Faculdade de Medicina da UFMT, foi pesquisador do CNPq por 18 anos e integra a equipe multidisciplinar do IGPA.

Foto: Priscila Russo

Leave A Comment