Dor abdominal e ‘estufamento’ podem caracterizar doença diverticular, explica Dr. Mardem Machado

A doença diverticular é uma inflamação na parede interna do intestino. Ela é caracterizada, principalmente, pela formação de bolsas e quistos pequenos e salientes, os divertículos, que, ao inflamarem, causam a doença.

O coloproctologista Mardem Machado, diretor do Instituto de Gastro e Proctologia Avançada (IGPA), com sede em Cuiabá-MT, explica que a doença diverticular é bastante prevalente na população, sendo mais frequência em pessoas acima de 40 anos, e quando mais se vive, maior a prevalência dela. Porém cerca de 20% dos casos ocorrem antes dos 30 anos de idade.

Pessoas obesas, que tenham mais de 40 ou 50 anos de idade, que tenham alguma dor abdominal do lado esquerdo, gases, estufamento abdominal ou mesmo crises de dores abdominais associada à febre, podem estar com a doença diverticular ou até mesmo a diverticulite.

O tratamento, observa Dr. Mardem Machado, vai depender da fase em que o paciente está sendo diagnosticado. Na imensa maioria das vezes, no contexto em que o paciente está em casa, está trabalhando e têm alguns sintomas da doença diverticular, o tratamento é clínico.

Quando o médico julga que o quadro clínico do paciente é mais intenso, é necessário fazer mais exames e inclusive internar o paciente. Em situações mais raras, pode ser necessário um tratamento cirúrgico de urgência.

A doença diverticular não predispõe ao câncer, mas o câncer incide na faixa etária dos indivíduos com doença diverticular. Também ocorre quando os pacientes tiveram uma hemorragia intensa causada por divertículos, são nessas situações que indicam o tratamento cirúrgico para os pacientes.

Prevenção

A melhor forma de prevenir a doença diverticular é manter o intestino funcionando com bastante frequência, sem que você tenha que fazer força para evacuar, sem que você tenha uma quantidade muito grande de fezes ou gases dentro do intestino.

“As complicações da doença diverticular podem ser evitadas por um estilo de vida saudável com exercícios regulares, dieta balanceada rica em fibras, ingestão farta de líquido e um hábito intestinal regular, evitando a constipação intestinal”, orienta Dr. Mardem Machado.

SC Assessoria de Imprensa

Deixe um comentário