Fique atento a sinais que podem indicar problemas no intestino grosso

Estufamento do abdômen, sangramento, mudança repentina dos hábitos intestinais e perda de peso são alguns dos sinais que devem ser investigados pelo especialista. A orientação é do coloproctologista Mardem Machado, diretor do Instituto de Gastro e Proctologia Avançada (IGPA).

Azia, vômitos, sensação de estufamento, dor abdominal, cólicas, diarreia, intestino preso e escape de gases e fezes são alguns dos sinais de alerta de que algo não está funcionando bem no intestino. Presença de sangue e perda de peso também devem ser motivos de atenção, observa o especialista.

Coloproctologista Mardem Machado, diretor do IGPA

Segundo Dr. Mardem Machado, o intestino grosso pode ser acometido por doenças de causa genética, constituição corporal, hábitos alimentares e de higiene. Entre elas está o intestino preso, às vezes intercalado por episódios súbitos de diarreia e cólicas, o que pode indicar síndrome do intestino irritável, frequentemente associado ao estilo conturbado de vida das grandes cidades ou à somatização das ansiedades e medos do ser humano.

É importante observar as fezes. Se notar alterações na forma e consistência, como sangue, parasitas e muco, e desconforto abdominal e/ou na região anal, a recomendação é procurar o coloproctologista.

“A alimentação também merece atenção especial, já que o funcionamento do intestino é diretamente influenciado pela dieta”, pondera o médico.

A nutricionista Fernanda Branco integra a equipe multidisciplinar do IGPA

A nutricionista Fernanda Branco, que integra a equipe multidisciplinar do IGPA, ressalta que além de alimentos ricos em proteínas e carboidratos para termos energia, gorduras e óleos saudáveis, é imprescindível que tenhamos boa ingestão de fibras solúveis e insolúveis, contidas nas verduras, legumes, frutas e cereais, e de líquidos, desde água até sucos e chás.

Ela sugere incluir um mamão com aveia no café da manhã, no almoço um prato colorido, com salada diversa, a tarde uma salada de frutas e castanhas, no jantar uma proteína e a salada do almoço.

Assim, haverá um bolo de fezes com volume, lubrificação e hidratação adequados. E se associarmos atividade física regular a todos esses cuidados, a saúde do intestino vai melhorar ainda mais. Deve-se também abolir o tabagismo e evitar o excesso de bebida alcoólica e de alimentos ultraprocessados, como os embutidos.

Deixe um comentário