Sintomas do câncer do esôfago geralmente aparecem quando a doença está avançada

Na maioria dos casos, o câncer do esôfago é diagnosticado em função dos sintomas. A questão, explica o gastroenterologista e endoscopista Roberto Barreto, é que a maioria dos tipos de cânceres de esôfago não causam sintomas até que tenham atingido um estágio avançado.

“Daí a importância de manter uma vida saudável e check-up anual em busca da prevenção”, ressalta o especialista, fundador e presidente da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva em Mato Grosso.

Dr. Roberto Barreto explica que o câncer de esôfago é provocado pelo crescimento anormal das células que compõem os tecidos desse importante órgão do sistema digestivo, responsável pela condução dos alimentos e líquidos da garganta até o estômago.

“O sintoma mais comum de câncer de esôfago é o problema da deglutição, a sensação de que a comida está presa na garganta, denominada disfagia. A disfagia é geralmente um sintoma causado por um câncer já de tamanho considerável”, detalha.

Quando a deglutição se torna difícil, as pessoas costumam mudar a dieta e os hábitos alimentares sem perceber, passam a comer pequenas porções e a mastigar os alimentos lentamente, com mais cuidado e por mais tempo.

O sintoma mais comum de câncer de esôfago é a sensação de que a comida está presa na garganta, denominada disfagia

“As pessoas tendem a comer alimentos mais macios, evitando pão e carne. O problema da deglutição pode piorar a ponto de algumas pessoas trocarem os alimentos sólidos por uma dieta líquida”, pontua.

Outro sintoma é a dor no peito ou desconforto na parte central do tórax. Cerca da metade dos pacientes com câncer de esôfago perde peso sem fazer qualquer dieta alimentar. Também podem surgir rouquidão, tosse persistente, vômitos, soluços, dor óssea e hemorragia.

Ter um ou mais destes sintomas não significa que a pessoa tenha câncer de esôfago. “Ainda assim, se você tiver algum destes sintomas, principalmente dificuldade para engolir, é importante que seja acompanhado por um especialista para que a causa possa ser diagnosticada e tratada”, orienta.

Dr. Roberto Barreto é um dos diretores da Clínica Vida Diagnóstico e Saúde, de Várzea Grande, onde também atende; é responsável técnico do Centro de Endoscopia de Cuiabá (CEC) e integra a equipe multidisciplinar do Instituto de Gastro e Proctologia Avançada (IGPA).

Estatística

No Brasil, é o 6º tipo mais frequente de tumor entre os homens e o 15º entre as mulheres, com exceção do câncer de pele não melanoma. Incidindo cerca de duas vezes mais nos indivíduos do sexo masculino, ele afeta particularmente pessoas na faixa etária dos 55 aos 85 anos. A idade média de diagnóstico é 68 anos.

Prevenção

O tabaco é extremamente nocivo para a saúde e é um dos principais fatores de risco para o câncer de esôfago

Algumas medidas simples ajudam a prevenir o câncer de esôfago, entre elas não fumar, moderar o consumo de bebidas alcoólicas, manter o peso sob controle, adotar uma dieta saudável e tratar o refluxo gastroesofágico.

Também é importante ficar atento aos sintomas e procurar um especialista caso observá-los. A detecção precoce do câncer do esôfago aumenta as chances de cura. Quanto mais cedo, melhor, porque essa doença tende a apresentar rapidamente metástase para os gânglios linfáticos.

Deixe um comentário